Publicado em 14/11/2016 às 13:00 · Cultura

“Era um biquíni de bolinha amarelinha…”
Em seu novo livro, Lilian Pacce conta toda a história e evolução do biquíni

Um dos sonhos de consumo de toda mulher, o biquíni é uma peça que se reinventa a cada verão e vem evoluindo radicalmente desde a época em que foi criado, há 70 anos. Toda essa transição do biquíni tornou-se objeto de estudo da jornalista e editora de moda Lilian Pacce, que resultou em seu mais novo livro “O Biquíni Made in Brazil”. Durante 13 anos, Lilian dedicou-se totalmente às pesquisas do livro na intenção de encontrar o máximo de informações possíveis e registros de diferentes épocas. Um trabalho realmente difícil! “O Biquíni Made in Brazil” foi lançado mundialmente no mês passado na capital da moda, Paris, e agora a jornalista está viajando por algumas cidades do Brasil para divulgá-lo por aqui, com direito a sessão de autógrafos. Conversamos com Lilian, que nos contou um pouco sobre o processo de criação do livro, suas expectativas com relação a ele e como surgiu a moda do biquíni entre as mulheres.

lil16101_bikini_book_cover_04

(foto: Divulgação)

GIOH: Como surgiu a ideia de fazer um livro contando a história do biquíni?

LILIAN PACCE: O biquíni brasileiro (e toda a nossa moda praia) é objeto de desejo no mundo inteiro, e isso sempre me provocou um misto de orgulho e intriga, já que, como quase tudo na moda, o biquíni é uma invenção francesa. A gente soube se apropriar tão bem que ele foi totalmente incorporado à moda brasileira, arrancando elogios mundo afora. Tudo isso fez com que eu dedicasse mais de dez anos ao livro, cujo tema vai muito além da moda: passa pelas conquistas da mulher, mudanças de comportamento e de hábitos de beleza.

G: Foi difícil fazer um apanhado de toda a história do biquíni? Como fez para apurar todas as informações e dados que estão no livro?

LP: Foi uma pesquisa intensa. De semanas em bibliotecas, como a Nacional no Rio, ou a do museu Victoria and Albert em Londres, lendo muitos livros e vendo dezenas de entrevistas. Um trabalho de formiga, porque o Brasil não está acostumado a preservar sua história e sua memória, e a moda brasileira é muito jovem do ponto de vista histórico. Quando a Bumbum criou o fio dental ou o asa-delta, não sabia que estava fazendo história. E a mesma coisa aconteceu com Rose di Primo quando lançou o biquíni amarradinho. Hoje temos essa noção. Então, fica a dica para a nova geração de estilistas: guardem seus registros e façam história.

G: Quando foi que o biquíni passou a fazer sucesso entre as mulheres?

LP: Em 1926, quando o jornal carioca Beira-Mar publicou um protesto do jornalista Alfredo Sade que criticava as regras rígidas dos trajes de praia, em uma época em que as mulheres ainda eram obrigadas a vestir modelos de sarja, lã ou baeta dos pés à cabeça. Dois anos depois desse protesto, o maiô foi lançado com sucesso no Brasil. A primeira aparição de um modelo de duas peças foi feita pela alemã Miriam Etz, em 1938, na praia do Arpoador, no Rio. O biquíni em si surgiu em 1946. E qual a diferença entre o biquíni e o modelo de duas peças? O biquíni revela o umbigo, parte que tem forte simbologia ligada à vida e ao sagrado. Mas foi um escândalo na época e só pegou mesmo a partir dos anos 60.

carmen-veronica_reproducao-arquivo-pessoal

Atriz Carmen Verônica (foto: Arquivo pessoal)

G: Para você, quem foi a mulher que inspirou todas a usarem o biquíni?

LP: Leila Diniz e Rose di Primo no Brasil e Brigitte Bardot no mundo.

G: E no Brasil? Quem foi a musa que mais inspirou a moda do biquíni por aqui?

LP: São tantas mulheres lindas! Luiza Brunet, Magda Cotrofe, Xuxa, Gisele Bündchen, Sabrina Sato… Cada uma com sua beleza tem o seu papel na história do biquíni no Brasil.

gisele_creditos-jaques-dequeker-para-vogue-brasil

A top Gisele Bündchen foi uma das musas inspiradoras da peça no Brasil (foto: Jaques Dequeker)

G: Você tem a intenção de passar algo para as mulheres com seu novo livro?

LP: Acho que toda essa história que gira em torno do biquíni é bacana para entender a independência que a mulher vem ganhando e a luta que sempre esteve presente na vida de todas as mulheres. A gente também deve muito aos índios, que têm um domínio e respeito pelo corpo muito forte — e códigos morais próprios que os portugueses não souberam entender. Assim como eles, podemos usar o menor biquíni do mundo, mas a nudez ainda pede privacidade. Embora seja comum na Europa, o topless ainda é um tabu aqui. Acho que o livro acaba levantando todas essas questões.

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR!

De olhos grudados na tela

De olhos grudados na tela

No ritmo da música

No ritmo da música

Noite da rainha

Noite da rainha

Noite das estatuetas

Noite das estatuetas