Publicado em 21/12/2016 às 17:00 · Estilo

Compra sem culpa
Marca de moda praia sustentável surge no Brasil com produtos feitos com tecidos biodegradáveis
vaz-0884_al_2_menor

Com proposta ecológica, Emi Beachwear produz biquínis e maios com tecido biodegradável (foto: divulgação)

Cuidar da natureza e protegê-la parece que se tornou uma das prioridades na indústria da moda, e o meio ambiente agradece. Com a sustentabilidade em pauta, o assunto não poderia ser outro. No início deste ano, em janeiro, abraçando a natureza, a marca de moda praia Emi Beachwear nasceu com uma proposta de utilizar tecido biodegradável na produção de suas peças.

É comum trocar de biquíni ou maiô todos os anos e, com isso, o número dessas peças acaba crescendo progressivamente no guarda-roupa, não é verdade? O problema é que a maioria dos biquínis e maiôs existente no mercado é feita de tecido sintético que leva, em média, de 100 a 300 anos para se decompor. Anna Luiza Vasconcellos, estilista da Emi Beachwear, conta que o tecido biodegradável atinge muito menos a natureza. “É difícil acreditar que um tecido leve mais tempo para se decompor do que a gente tem de vida. Como sempre fui ligada ao meio ambiente, resolvi criar uma marca de moda praia com biquínis e maiôs sustentáveis feitos com tecido biodegradável que leva cerca de quatro anos para se decompor”.

vaz-5-2_menor

A marca nasceu de um projeto que a estilista desenvolveu ainda na universidade (foto: divulgação)

Segundo Anna Luiza, o tecido dos biquínis e maiôs é de 87% de poliamida e 13% de elastano. “Essa poliamida que usamos é diferente porque ela não é encapada, e isso significa que demora muito menos tempo para se decompor na natureza do que um tecido comum”, explica. Feitas à mão, as peças praianas são difíceis de serem produzidas, pois segundo Anna Luiza o tecido é mais difícil de se trabalhar, além de ter um custo mais elevado.

Com entregas para todo o Brasil, a Emi Beachwear se juntou à Malha, espaço colaborativo de moda no Rio, no início deste ano. “Eu morei um tempo em Londres e foi lá que peguei mesmo o gosto pela sustentabilidade. Quando voltei ao Brasil, fiz um projeto na PUC, universidade em que estudava, sobre um marca de tecido biodegradável. Fomos crescendo e nos juntamos à Malha porque, além de conhecer o André Carvalhal, achei superinteressante a proposta deles para uma empresa pequena como a minha”, conta a estilista e idealizadora da marca.

vaz-0324_al_menor

Um tecido sintético pode demorar até cem vezes mais tempo para se decompor na natureza do que o biodegradável (foto: divulgação)

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR!

Obsessão anos 80

Obsessão anos 80

10 inspirações de looks para arrasar no Rock in Rio

10 inspirações de looks para arrasar no Rock in Rio

Na crista da onda

Na crista da onda

É ouro!

É ouro!