Publicado em 06/10/2016 às 18:00 · Bem-estar

Batalha vencida
Paula Martins, do blog Viver Sem Trigo, conta sobre sua luta contra o câncer de mama

O índice de mulheres diagnosticadas com câncer de mama cresce 25% a cada ano no Brasil e no mundo, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), e, geralmente, as vítimas são mulheres acima dos 35 anos, dos mais variados lugares, com hábitos e biótipos diferentes. Engrossando essa estatística está a chef de cozinha Paula Martins, mãe de dois filhos pequenos, diagnosticada com câncer de mama aos 38 anos de idade, lutou bravamente contra a doença. À frente do blog de receitas Viver sem Trigo, Paula descobriu o nódulo, que não havia sido diagnóstico como maligno, por meio do autoexame — o que mudou sua vida para sempre. Na cirurgia para a retirada do nódulo, veio a confirmação da doença e, junto com ela, uma mistura de sentimentos. No entanto, Paula conseguiu vencer e dar a volta por cima. Hoje encoraja mulheres que passam pela mesma situação a lutar com a certeza da vitória. Conversamos com ela, que nos contou um pouco mais da sua história.

img_0044

Paula Martins descobriu o câncer de mama aos 38 anos através do autoexame

GIOH: Como você descobriu o câncer?

Paula Martins: Aos 38 anos, por meio do toque. Fiz vários exames e nenhum apontava que era câncer, mas ele me intrigava. Intuição mesmo! Então marquei com um cirurgião oncológico para retirar o nódulo e, na cirurgia, ele descobriu a célula maligna. Ele fez a retirada do quadrante na hora.

 G: Como foi ser diagnosticada com a doença tendo filhos pequenos?

PM: O diagnóstico de câncer é apavorante! Parece que estamos recebendo uma sentença de morte. Eu só pensava nos meus filhos, que não os veria crescer, e isso foi muito difícil. Mas respirei e fui fazer o que me faz bem: fui para a cozinha e fiz um bolo para espantar os pensamentos ruins da minha cabeça. Decidi que não pensaria no pior, que o meu nódulo tinha tratamento e que eu iria fazer o que fosse preciso para sair curada.

img_1803

Para Paula, o diagnóstico do câncer foi ainda mais difícil por ter filhos pequenos

G: Durante a quimioterapia, você reagiu bem?

PM: Fiz 16 sessões de quimioterapia. A primeira fase era a da série vermelha (a punk), que faz cair cabelo, dá náuseas, sonolência e cansaço. Tinha um intervalo de 21 dias entre elas. A primeira semana foi horrível, eu só dormia e tomava remédio para enjoo. Na segunda semana eu já estava melhor, voltando às minhas atividades, treinos, cursos e até viagens.

img_1801

Paula passou por dezesseis sessões de quimioterapia, a fase vermelha a fez perder os cabelos

 G: O que você sentiu que mudou em seu corpo durante o tratamento?

PM: Ganhei um pouco de peso por causa dos corticoides e não tinha muita força muscular. Nos treinos, me sentia uma senhora de 80 anos.

G: Além de ter que lutar contra a doença, ainda existem os olhares inconvenientes das pessoas nas ruas. Como você lidou com isso?

PM: Eu tentava ignorar, mas lidei bem! Nunca deixei de sair ou fazer algo porque estava usando lenço ou boné.

img_7933

Mesmo durante o tratamento Paula não deixou de fazer seus treinos de academia

G: A ausência do trigo na sua alimentação ajudou na recuperação?

PM: Tenho certeza de que ajudou! Minha imunidade sempre esteve em níveis excelentes e nunca adiei uma sessão sequer. Nem resfriado eu tive!

G: Durante o tratamento, você teve vontade de comer coisas que já não existia mais nos seus hábitos alimentares?

PM: Ah, sim! Durante as quimios vermelhas tudo o que você come tem sabor de metal, e isso me arrepia até hoje. Então, a comida tinha que ser muito saborosa ou, às vezes, muito gordurosa, como a do McDonald’s.

G: O que mudou na sua vida depois de vencer o câncer?

PM: O jeito de encarar os problemas e de não dar peso a coisas que não importam. Passei a valorizar o tempo com meus filhos, a valorizar mais a vida e a saúde.

img_0609

Depois de vencer a doença, Paula passou a valorizar mais o tempo com sua família

G: Qual mensagem você deixaria para quem está lutando contra essa doença?

PM: Que tudo passa! O importante é ficar forte. Ser mais forte que ela! Não importam as lutas, o que importa é vencer todas elas.

 

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR!

Detox da salvação

Detox da salvação

Amigo da dieta

Amigo da dieta

Usar ou não usar?

Usar ou não usar?

Proteção em primeiro lugar

Proteção em primeiro lugar